quinta-feira, agosto 28

Ame a Deus e ao próximo como a ti mesmo

A princípio não estou criando este blog para ateus, mas para os que se dizem cristãos: católicos, protestantes e espíritas. Repito: para os que se dizem, pois não estou aqui para julgar quem é ou quem não é cristão e evitar discussões desnecessárias sobre a verdade e o compromisso de cada secção do cristianismo. Todas têm seu mérito e seus desméritos, biblica e historicamente falando.

Durante anos fui criado em uma família tradicional católica. Fui batizado ainda bebê mas não fiz crisma porque meu pai me deu o liberdade de escolher ser crismado ou não. Durante anos fui cristão sem saber, fato esse que já vou explicar.

Meu pai sempre me passou a visão do universo e de Deus de uma forma panteísta - segundo o qual todos e todas as coisas estão intimamente ligados a Deus -, porém sem negar o personificado Deus cristão. Até certa idade, frequentemente à noite, eu, meu pai e minha mãe líamos trechos da bíblia e discutíamos as passagens, rezávamos o pai-nosso e as rezas católicas de sempre.

Igreja? Não, nunca fui disso. Digo às pessoas que quando preciso eu vou e espero encontrar lá paz e tranquilidade para reflexão e palavras de amparo. Odeio a obrigatoriedade. Sou da idéia de que não é preciso uma igreja para ter comunhão com Deus e exercer a verdadeira religião (do latim religare, religar-se ao divino). Acredito que a igreja sirva para ensinar e não deva proibir ou obrigar a nada, apenas sugerir.

Pois bem, na idade de 20 anos eu tive experiências com a religião evangélica, de certa forma não muito boa e por 3 anos estive envolvido em cultos, encontro de jovens, vigílias, etc. Estavam tentando me converter a todo custo. A causa, parece ser óbvia: relacionamento. Resisti ao máximo, mas com o tempo, percebi que alguns paradigmas meus já estavam sendo quebrados. Já não me sentia mais católico, mas também não me sentia evangélico.

Foi nesse meio tempo que comecei a ler a bíblia assiduamente e percebi que existiam muitas coisas erradas tanto no catolicismo quanto no protestantismo evangélico. E minha pesquisa não parou na bíblia. Estudei: história do catolicismo, história do protestantismo, historiadores cristãos modernos, evangelhos apócrifos, filosofia (muita filosofia), discussões com padres, pastores e entendidos do assunto.

Enfim, depois de tanta pesquisa, tantas discussões e indagações, depois de absorver tanto conhecimento, sabem qual foi a conclusão? A mensagem que poderia ser de uma única religião:
"Ame a Deus e ao próximo como a ti mesmo"

Eu era cristão e não sabia...e sempre fui.

6 reflexões:

Bellon disse...

Eu acho que religião é ilusão.
E tô com fome.

Mr. bassplayer Devaneio disse...

de fato, religião só é necessário pois a sua fé quando é focada junto a mais um número de pessoas, sempre tem mais força! Mas, tenho minhas mais sinceras dúvidas que, quando estão todos juntos em suas respectivas igrejas, suas intenções sãos as mesmas... Se não são, não é foco, força... o que torna a religião sem necessidade!!!

Amar a Deus, ao próximo e a si mesmo...necessariamente nesta ordem!!

Acho que encontraste o caminho que já vem seguindo há um tempo meu caro... e eu o sigo tb! Espero que estejamos juntos no caminho certo indo de encontro aos louros do céu!
Abraços, belo blog meu amigo! :D

Justino disse...

Certa vez, ouvi de um colega de trabalho que "Amor é barriga cheia"...bom, não sei o motivo e o contexto para tal afirmação, mas, entendi no ato.

Eu noto algumas ilusões, digo, más representações daquilo que os textos antigos tentaram descrever (não necessariamente textos religiosos ou sagrados, termos que se perdem em meio às mudanças naturais de comportamento numa sociedade e/ou em outras, com suas particularidades de linguagens e cultura) sem contar as outras que absorvemos das mídias, das maneiras como visões de determinadas pessoas cheagm até nós.

Eu também tive experiências com várias religiões: nasci num lar católico, batizado aos 11 anos, deixando de frequenatr aos 13. Questionamentos me levaram a visitar Protestantismo, Umbanda, Kardecismo, até decidir por não professar fé. Decidi pelo ateísmo. Novos questionamentos me fizeram perceber A Grandeza e Beleza de tudo que existe. A Harmonia me fez despertar e vi que sim, existe um Deus. Hoje vejo que algumas coisas estão presas às formas, mas...são distorções da visão humana, simplesmente pequena...

Justino Barbosa

Abração

L.P. Faustini disse...

Foi o que eu disse no post sobre o verbo amar em grego. A essência ou semântica da palavra muda com o tempo e se não tivermos a boa vontade de procurarmos toda a idéia por trás de um contexto histórico, acabamos por interpretá-la de uma maneira errônea. Temos sim que refletir e levar em conta a cultura, a sociedade e os costumes da época ao lermos textos sagrados.

sydsss disse...

Graças a Deus, sou mais dos modernos apostatas do sistema denominacional. Livre exame das escrituras, é o que menos interesas aos manipuladores e mmonopolizadores da informação. Quanto mais leio, estudo, observo os tais sinóticos comparados a João e Paulo,chego apenas a duas conclusões. depois explico, apresento evidências e continuo herege é "persona non grata" entre eles. Jesus era "doceta" e Paulo o principal apologeta da gnóse.Fico impressionado e entusiasmado com a "mudança de rótulo" e a inversão de valores que ocorrem nestes dias. Paulo de forma velada, nas cartas dos apóstolos e representantes da circuncisão, era "homem vão" "anticristo" e por ai vai. Mas isso não pode ser pregado. Se tirar o santo canôm, os ritos, os versos mais que literias, a tradição e os interesses pessoais. Não sobar nada. parabéns pela opção. E conhecereis... até a próxima
Syddelotro@gmail.com. Romanos 7:4

~Makoto disse...

Nesse post você praticamente disse tudo o que ouve comigo. Como se você resumisse minha história de vida em relação a religião claro.
Tenho 20 anos e peguei uma bíblia pra ler, refletir sobre.
To começando, mas ja "conheço" por parte que minha família me passou...

Escreve mui bem, parabéns de novo.