sábado, maio 8

Ver o mundo através dos olhos de uma criança


"Trouxeram-lhe também criancinhas, para que ele as tocasse. Vendo isto, os discípulos as repreendiam. Jesus, porém, chamou-as e disse: Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas. Em verdade vos declaro: quem não receber o Reino de Deus como uma criancinha, nele não entrará."
(Lucas 18, 15-18)


Admito: sinto saudades de minha infância. Felizmente eu fui criado em um lar muito saudável, em um bairro propício a dar liberdade para todas as brincadeiras de criança possíveis e tive amigos que compartilhavam da mesma felicidade que eu. Fui uma criança feliz e prolonguei minha infância até os meus 16, 17 anos. Não me arrependo disso. Enquanto meus amigos há tempos já bebiam e se entretiam com meninas, eu continuava jogando queimada, videogame, brincando de pique-pega, pique-esconde, etc e tal. Eu gostava. Me espantava com o mundo, com as novidades do cotidiano. Ria com todos e de tudo. Mas principalmente: era ingênuo, não acreditava na maldade dos outros, nas segundas intenções e não tinha malícia nenhuma.

Com o tempo, a realidade foi me moldando. Meu corpo se transformando. Pessoas me feriram, deixaram marcas. Descobri que as meninas que eu admirava - não por seus corpos, mas por suas qualidades - não usavam mais que uma máscara de princesas intocáveis. Enfim, a realidade é triste, mas é com ela que temos que lidar.

Escrevo esse post porque passei de carro em lugar muito pobre nesses últimos dias. Um lugar de bandidos, pessoas viciadas e tristeza. No entanto, ali, na frente de um barraco, vários meninos brincavam como se toda a realidade em volta não passasse de um grande palco para suas brincadeiras. Estavam ali alheios a tudo que se passava. Em seu universo, assim como no meu, não existia espaço para maldade. Não obstante, o que mais me deixa com pena é que essas crianças irão conhecer a realidade muito mais cedo do que eu conheci. E será uma realidade muito pior.

Quem dera se todos víssemos o mundo através dos olhos de uma criança! É o que eu tento fazer, mesmo que seja duríssimo ficar alheio a tudo que acontece à minha volta. Jesus, sabiamente, diz: "o Reino de Deus é daqueles que se parecem com as crianças". Ou seja, daqueles que conseguem manter aquela pureza dentro de si. Que olham o mundo com espanto, que conservam aquela humilde ingenuidade e que agem sem malícia. Que se alegram simplesmente com o ato de viver e se divertir.

A recomendação do post de hoje é: Não afaste a criança que está dentro de ti. Se algum dia você a perdeu, reencontre-a.

A paz a todos...

3 reflexões:

Anônimo disse...

É exatamente isto, infelizmente hoje todo o enfoque da vida é voltado para a direção oposta, os pais estão forçando as crianças a deixarem a infância o quanto antes, por isto é que outra fala de Cristo se mantém cada dia mais atual: Muitos serão os chamados , pouco os escolhidos>

Anônimo disse...

É justamente a necessidade mais acentuada de se abandonar a infância e de engressar no mundo selvagem que sinaliza o quanto está próximo o fim. Essa mensagem tocou muito o meu coração, pois vi como a loucura nos cega, de modo que deixamos de enxergar o mundo como ele deveria ser enxergado. Se fosse pelas crianças, o mundo seria um Jardim do Éden, onde haveria natureza, beleza, vida, alegria e amor. Uma criança não se importa em andar de carro novo, de se vestir muito bem, de ganhar muitos presentes, por mais que isso possa distraí-la. O que realmente importa à ela é o carinho, o amor, a companhia dos pais; sem isso, que é o que mais importa, tudo o mais se torna vão. Assim devemos ser. Enquanto nações de lançam em guerras, em tristezas e dores, há aqueles que se preocupam somente em acordar num belo dia e encontrar seus amados, e viver em harmonia, em paz, vivendo a vida. Devemos dar graças a Deus por termos a chance de sermos crianças outra vez, e como crianças, amar quem está ao nosso lado. Que um dia, livres do peso desta vida, possamos nos encontrar em campos eternamente verdes. Obs.: o blog www.cartasdapalavra.blogspot.com se identifica com este site.

L.P. Faustini disse...

Sábias palavras, meu caro.

A paz!