sexta-feira, outubro 31

A bíblia por trás das câmeras - Parte 1: Bíblia Católica e Evangélica

A bíblia é, para muitos cristãos, a Palavra de Deus e, portanto irrefutável. Pessoalmente, concordo que seja inspiradora, concordo que ela consegue transmitir a mensagem de Deus para a humanidade, porém, mesmo que seja irrefutável para mim, considero-a questionável. Ela é questionável porque a bíblia é uma coleção de livros escritos por homens bem intencionados, sujeitos a transmitir em seus textos suas emoções, seus próprios pontos de vista, suas próprias interpretações dos fatos e portanto sujeita a erros humanos. A bíblia foi em grande parte escrita por pessoas que viveram muito tempo depois dos fatos ocorridos e, o sucesso de sua conclusão, se deve ao fato de uma fortíssima tradição oral. Tanto a Torá - ou pentateuco - quanto o Novo Testamento se encaixam nesse perfil.




A bíblia, como nós cristãos conhecemos atualmente, é composta por 66 livros nas edições protestantes e 73 nas católicas. E isso é motivo de muita controvérsia.

Aqui no Brasil, os evangélicos atacam o catolicismo alegando que a bíblia deles é a única correta, pois sua tradução é a mais condizente com os originais, além de não conter modificações nos textos. Visto isso, gostam de usar um versículo em apocalipse 22 para acusar a Igreja Católica de representante de satanás:

"Eu declaro a todos aqueles que ouvirem as palavras da profecia deste livro: se alguém lhes ajuntar alguma coisa, Deus ajuntará sobre ele as pragas descritas neste livro; e se alguém dele tirar qualquer coisa, Deus lhe tirará a sua parte da árvore da vida e da Cidade Santa, descritas neste livro."

O que muito dos evangélicos não sabem é que a bíblia original, a primeira, chamada Vulgata, tinha 76 livros. Destes 77 livros, cerca de 12 eram deuterocanônicos e 3 apócrifos (clique aqui para ver lista) que com o passar do tempo eles foram separados entre a bíblia católica e a ortodoxa e também contestados até culminar com a bíblia protestante e seus 66 livros. A Igreja Católica os reafirmou mais tarde mesmo com a contestação de Lutero.

Outra coisa que muitos evangélicos não sabem é que a bíblia diretamente traduzida dos originais, sem nenhuma modificação, se chama Bíblia de Jerusalém (clique aqui para ler informações) que não é adotada por nenhuma das igrejas aqui. E lógico, para quem quiser ter o trabalho de ler os originais, eles se encontram na Biblioteca de Jerusalém e no Museu Britânico.

O que importa é que, apesar da preocupação com a fidelidade da tradução nas versões católicas e protestantes, algumas poucas palavras mudaram, mas o contexto e a essência do cristianismo em nada mudaram.

Mas porque a bíblia católica e protestantes diferem em 7 livros?

A princípio, quem organizou todos os livros (exceto o pentateuco) da bíblia foi a Igreja Católica, contra fatos não há argumentos. Então, o mérito de qualquer bíblia vai para a Igreja Católica, com ou sem 7 livros. O cânon bíblico sempre esteve e sempre estará propenso a mudanças.

O que aconteceu foi que, com a Reforma Protestante , Lutero rompeu com a Igreja Católica.na época, e nesse rompimento, com os deuterocanônicos sendo contestados, ele acabou por retirá-los de vez do seu novo cânon bíblico. No Concílio de Trento, a Igreja Católica reafirmou os 7 livros retirados por Lutero. Em outras palavras, quem "tirou" algo da bíblia, foi o próprio Lutero.

Lutero cria a Igreja Luterana Protestante (o termo protestante vem daquele que protesta contra a Igreja Católica) e renuncia ao formato do cânon bíblico com 73 livros.

continua na parte 2: A necessidade...

13 reflexões:

Mr. bassplayer Devaneio disse...

Apesar de concordar com o artigo, deve-se tomar cuidado com as seguintes declarações:"Para mim, a bíblia é um livro escrito por homens bem intencionados, sujeitos a transmitir em seus textos suas emoções, seus próprios pontos de vista, suas próprias interpretações dos fatos.", digo isso pq tecer comentários com a própria opinião é perigoso.
Tendo a confecção da bíblia sido em eras remotas, não podemos afirmar com exatidão que aquelas coisas maravilhosas não aconteceram, mas que é difícil ter crença na totalidade, isso é..
Bom.. contra fatos, não há argumentos, então, não há o que comentar sobre o resto! :D

Parabéns.. só acho que deveria aprofundar mais esse último artigo... :)

Anônimo disse...

Dizer que quem organizou todos os livros da bíblia foi a Igreja católica é um erro. O cânone do velho testamento surgiu, se formou e se consolidou entre povo judeu. Possuo a bíblia hebraica, que não inclui os sete livros apócrifos, dos quais aliás não se tem original em hebraico, mas somente textos em grego, claramente alheios por forma e conteúdo da coleção autêntica.

L.P. Faustini disse...

Durante muito tempo houveram discussões sobre a inclusão do cânone do antigo testamento na bíblia cristã. Marcião, por exemplo, era totalmente contra, pois defendia que o Deus do NT era um Deus diferente do AT, portanto, sua primeira compilação não incluía o AT. É verdade que a Igreja Católica não participou da compilação do cânone judeu (ele já estava pronto há séculos), no entanto, reafirmo: a inclusão dele na bíblia cristã se deve, sem nenhuma dúvida, à Igreja Católica.

Anônimo disse...

Não querendo ser o dono da verdade, mas queria alertar para um erro que comumente é cometido por varias pessoas, e como pseudo verdades são plantadas, muitos são os que acabam indo por elas.

De forma direta a você posso dizer que quando você diz:

“O que aconteceu foi que, na época da adição dos 7 livros no Concílio de Trento, já estava acontecendo a Contra-Reforma. promovida por Lutero. Devido à sua insatisfação com a Igreja Católica naquela época, Lutero recusou qualquer proposta que viesse do Vaticano”.

Duas coisas tem erradas nessas afirmações, uma “adição dos 7 livros no Concílio de Trento”, a segunda é que você disse entre linhas que “Lutero teria tirado os livros”, outra digamos “meia verdade”, pois Lutero conservou todos os livros, 73, mas lembrando que o mesmo fez acepição aos livros do novo testamento que foram, 2 pedro, Tiago, Hebreus, 2 e 3 E. João, Judas e apocalipse.

Leia: Wikipédia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Livros_deuterocan%C3%B4nicos#Lista_dos_livros_deuterocan.C3.B4nicos_.28ou_ap.C3.B3crifos.29_do_Antigo_testamento_e_Novo_testamento

“Esses são os livros deuterocanônicos do Novo Testamento aceitos pelos católicos desde o século I, e considerados apócrifos do Novo Testamento pelos protestantes, que os contestaram como não sendo inspirados, aonde só vieram ser aceitos tardiamente no século XX, com o aparecimento das Sociedades Bíblicas.”

Mas eu vou me ater apenas a primeira, “adição dos 7 livros no Concílio de Trento”.

As provas que eu diria humildemente irrefutáveis são as seguintes.

Dois exemplares da bíblia de Gutenberg, do século XIII, as cerca 100 anos antes de Trento , que estão na biblioteca britânica que podem ser vistos em sua integra por esses links

http://molcat1.bl.uk/treasures/gutenberg/search.asp

Vá logo ao índice e veja.

E a prova mais antiga do século III, a um exemplar da septuaginta também digitalizada para pesquisa.

http://www.codexsinaiticus.org/en/manuscript.aspx

Por favor veja o índice.

Acredito que essa seja provas irrefutáveis que NUNCA a igreja católica colocou os livros ditos deuterocanonicos no antigo testamento, eles já estavam lá.

Os grandes concílios não tinham a intenção de colocar ou criar algo, muitas das vezes os concílios tinham um papel de reafirmar o que já se cria.

Jorge Luis

L.P. Faustini disse...

Ok, Jorge, muito obrigado pela observação. Eu já sabia que a primeira bíblia possuía não só os 7 citados, mas 14 livros a mais que foram paulatinamente sendo retirados e depois readicionados 7 dos 14, como você pode ver no Adendo da série Bíblia por Trás das Câmeras. Vou consertar este erro que pode dar margem à más interpretações. Mais uma vez obrigado.

A paz!

André disse...

O que podemos dizer,de alguém que usa a cruz,simbolo sagrado para os católicos como escova de sapato,e se diz católico?
E esta agressividade nas palavras,pesso a Deus ,que, estudando o cristianismo e a bíblia, você possa aprender os valores que Deus nos ensina.

L.P. Faustini disse...

Ei André,

Obrigado pelo comentário. Eu não sou católico, deixei de ser há tempos. Como deve perceber, este blog foi criado por mim com o intuito de criticar a Igreja, seja ela católica ou evangélica (por isso a escovinha em forma de cruz, significa que estou escovando e retirando toda a sujeita da Igreja atual usando a verdadeira mensagem que Jesus nos passou quando morreu na cruz).

A paz!

Jorge Luis disse...

Bom dia.
Eu não quero ser chato e ao mesmo tempo sendo, ainda tem uma coisa que não concordo. Eu acredito que você vai concordar comigo, mas claro que você é livre, mas assim o desejar e achar a justificativa valida; retifique:
Vamos por parte, como dizia Jack, o Estripador:
Quando o escritor do Apocalipse diz:
"Eu declaro a todos aqueles que ouvirem as palavras da profecia deste livro: se alguém lhes ajuntar alguma coisa, Deus ajuntará sobre ele as pragas descritas neste livro; e se alguém dele tirar qualquer coisa, Deus lhe tirará a sua parte da árvore da vida e da Cidade Santa, descritas neste livro."
Ele se refere ao livro do apocalipse e não a bíblia toda, pois o cânon foi fechado muito, mais muito depois do livro ser escrito. O escritor se refere ao livro de apocalipse, “tirar e colocar” e não a bíblia toda lembre que essa aparente maldição é referente ao livro e não ao cânon, que ele nem sonhava quais seriam os livros e nem que um dia eles etária reunidos em um só livro.
Quando você diz:
A Igreja Católica simplesmente os readicionou.
Vejamos dois pontos:
Quando Lutero questionou livros da bíblia, ele questionou 73 livros, e o que quero dizer com isso é que em Trento não “readicionou”.
Pois readicionar significa dizer que a bíblia tinha um numero de livros X e a igreja católica readicionou livros que ela teria tirado.
Mas esse é ponto, esse precisos 73 ela nunca retirou.
Vou trazer a prova disso:
Prova um:
Entre outras bíblias que poderia citar, temos de forma mais pratica a bíblia de gutenber, que está online para estudo, pelo link:
http://molcat1.bl.uk/treasures/gutenberg/search.asp
Esse site é da biblioteca britânica, pode lá e jogar “bible Gutenber”, se quiser. Ou se quiser pode ver do lado esquerdo superior o nome na vertical “British Library”.
Essa bíblia é do ano de 1445 cerca de 100 anos antes de Trento, ou seja, como pode a igreja “readicionar” o que já era oficial?
Prova dois:
Lutero antes de Trento, faz sua bíblia com 73 livros. E colocar alguns livros como sendo apocrisfos, isso é um fato.
Ele coloca livros do AT e para muitos que não sabem ele coloca como apócrifos livros do NT também, ou seja, para que Lutero diz que esse livro ou aquele não é inspirado, apócrifo, etc, se alguém não disse-se antes que os tais são inspirados.
Resumidamente, Lutero diz que livros do AT e do NT (Tiago, judas, Apocalipse, e outros do NT) não são inspirados por que a igreja já os tinha como “inspirados”
Prova três:
Lutero morreu em Eisleben, 18 de fevereiro de 1546.
Trento iniciou e “reafirmou”, que é diferente de “readicionou”, muito depois da morte de Lutero.
O concilio começou em 19 de novembro de 1545, mas só muito depois o concilio debateu sobre o cânon.
O que eu quero dizer com isso é que quando Lutero questiona o cânon que foi “readicionado’ em Trento, Lutero questiona um cânon já existente e oficial irmão.
Não sei se estou sendo claro, me perdoi a falta de tato na escrita.
Tentando explicar é que Lutero que morreu em 18 de fevereiro de 1546, questionou alguns livros, dai a pergunta; como poderia ele questionar livros que ainda “não estavam no cânon?” sendo que o questionamento de Lutero foi muito, muito antes de Trento? Ou seja, ele questionou livros que já eram do canon.
E só retocando, a bíblia de Gutenberg de mais de 100 anos antes de Trento demonstra claramente que a bíblia com seu 73 livros “já era oficial”, nas entrelinhas do site da biblioteca britânica é dito em alto e bom só que essa bíblia de Gutenberg foi baseada na bíblia de Jerônimo, ora se a bíblia de jerônimo tem quase mais de 1100 anos antes da de Gutenberg.
Então tento aqui demonstrar que a igreja não os “readicionou’ se reafirmou.

L.P. Faustini disse...

Salve Jorge Luis novamente,

Realmente a palavra "reafirmação" me trouxe algumas confusões na época que eu li o texto sobre o Concílio. Estou modificando o texto de acordo com sua luz. De fato, reafirmar não é a mesma coisa que readicionar. Mais uma vez, muito obrigado.

A paz!

MSM disse...

Caro L.P Faustini
decidi comentar seu artigo não para argumentar fatos históricos, nem ao menos contestar a exposição de todos os seus estudos. Confesso que meus conhecimentos sobre a história da igreja são irrelevantes comparados aos seus.
Justamente por sua perceptível consciência sobre o assunto li vários dos seus textos. E estava admirada até chegar nesse, desculpe não desejo ser ofensiva, mas não pude permanecer em silencio ao ler o seguinte período:
" Pessoalmente, concordo que seja inspiradora, concordo que ela consegue transmitir a mensagem de Deus para a humanidade, porém, é refutável. Ela é refutável porque a bíblia é uma coleção de livros escritos por homens bem intencionados, sujeitos a transmitir em seus textos suas emoções, seus próprios pontos de vista, suas próprias interpretações dos fatos e portanto sujeita a erros humanos."
Seria a bíblia questionável? Poderia ela se auto-contradizer? Correto que o senhor deixa claro que é sua opinião, todavia, por ter me interessado por suas pesquisas considerei que deveria avisá-lo de que de acordo com a Palavra seu argumento não condiz.
Existem muitas teorias sobre a inspiração das Escrituras, porém, de todas, a única que pode ser provada pela própria bíblia é a da inspiração plenária e verbal. Desse modo a bíblia não foi escrita por meio de emoções, percepções ou aptidões humanas. Seu único e verdadeiro autor é Deus, os homens foram apenas instrumentos inspirados pelo Espírito Santo escreveram fielmente as palavras ditadas pelo senhor.
A prova disso está nas própria palavras do Senhor em Marcos 13.31
" passará o céu e a terra, mas as Minhas palavras não passarão."
O Senhor afirma que a Palavra é dEle!
Porque a bíblia não é refutável nem ao menos escrita por homens? Em 2Pedro 1.20-21; encontramos a resposta:
" sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia NUNCA FOI PRODUZIDA POR VONTADE DE HOMEM ALGUM, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo."
Podemos confirmar em 2Timóteo 3.16-17 a inspiração Divina.
" toda escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra."
Por isso, senhor Faustini, dizer que a mesma é apenas inspiradora limita o seu verdadeiro valor. Posto que a bíblia é a revelação de Deus para nós.
Que a paz de Cristo esteja contigo! Estarei orando para que o Espírito Santo te convença disso!
MSM

MSM disse...

Caro L.P Faustini
decidi comentar seu artigo não para argumentar fatos históricos, nem ao menos contestar a exposição de todos os seus estudos. Confesso que meus conhecimentos sobre a história da igreja são irrelevantes comparados aos seus.
Justamente por sua perceptível consciência sobre o assunto li vários dos seus textos. E estava admirada até chegar nesse, desculpe não desejo ser ofensiva, mas não pude permanecer em silencio ao ler o seguinte período:
" Pessoalmente, concordo que seja inspiradora, concordo que ela consegue transmitir a mensagem de Deus para a humanidade, porém, é refutável. Ela é refutável porque a bíblia é uma coleção de livros escritos por homens bem intencionados, sujeitos a transmitir em seus textos suas emoções, seus próprios pontos de vista, suas próprias interpretações dos fatos e portanto sujeita a erros humanos."
Seria a bíblia questionável? Poderia ela se auto-contradizer? Correto que o senhor deixa claro que é sua opinião, todavia, por ter me interessado por suas pesquisas considerei que deveria avisá-lo de que de acordo com a Palavra seu argumento não condiz.
Existem muitas teorias sobre a inspiração das Escrituras, porém, de todas, a única que pode ser provada pela própria bíblia é a da inspiração plenária e verbal. Desse modo a bíblia não foi escrita por meio de emoções, percepções ou aptidões humanas. Seu único e verdadeiro autor é Deus, os homens foram apenas instrumentos inspirados pelo Espírito Santo escreveram fielmente as palavras ditadas pelo senhor.
A prova disso está nas própria palavras do Senhor em Marcos 13.31
" passará o céu e a terra, mas as Minhas palavras não passarão."
O Senhor afirma que a Palavra é dEle!
Porque a bíblia não é refutável nem ao menos escrita por homens? Em 2Pedro 1.20-21; encontramos a resposta:
" sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia NUNCA FOI PRODUZIDA POR VONTADE DE HOMEM ALGUM, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo."
Podemos confirmar em 2Timóteo 3.16-17 a inspiração Divina.
" toda escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra."
Por isso, senhor Faustini, dizer que a mesma é apenas inspiradora limita o seu verdadeiro valor. Posto que a bíblia é a revelação de Deus para nós.
Que a paz de Cristo esteja contigo! Estarei orando para que o Espírito Santo te convença disso!
MSM

L.P. Faustini disse...

Prezado(a) MSM,

Obrigado pelo comentário. Realmente a palavra usada tem uma expressão muito forte. Não considero irrefutável, mas questionável. (Já substituí no meu texto). E vou explicar:

Não acho pejorativo dizer que a bíblia é questionável. Pelo contrário: acho esclarecedor! O que seria do cristianismo se não houvessem questionamentos? Se não houvesse pesquisa histórica? Questionamentos esses que serviram apenas para edificar ainda mais a nossa religião! Agora, pense em uma religião na qual se proíbe indagações. Conhece alguma? Como ela está hoje no mundo?

Mais uma vez, obrigado! A paz!

jonas souza disse...

Nem comecei a ler seu pensamentos besta e já nojei.A biblia é inspirada por Deus.Se não fosse,por que então ELE nos mandaria estudar a palavra DELE?a palavra de Deus tem mudado vidas de muito como s a minha,como hoje sou cristão.