quinta-feira, dezembro 4

O batismo é progressivamente elaborado


"Fui batizado, estou salvo!". É o que a maioria das pessoas pensam. "Não, não está não!", é o que Jesus diria. Batismo não é sinônimo de salvação se você não cumprir com os seus deveres como cristão. O batismo é o início da sua vida cristã.


O batismo na igreja católica e na protestante encontra suas diferenças, mas em nada muda o compromisso com a verdade em Cristo. Respeito ambas as formas e neste momento da noite em que posto no meu blog, não estou com a mínima vontade de falar sobre essas diferenças. (para quem quiser saber é só clicar aqui: Batismo Católico, Batismo Evangélico.) Falarei em outras postagens, pois é motivo de controvérsias.

Fui batizado na católica ainda bebê. Em outras palavras: não foi por minha vontade. Porém fui criado com educação e princípios cristãos, um compromisso honrado pelos meus pais. O batismo só tem valor se você tem consciência que foi batizado e consequentemente se, a cada dia que passa, você tente se aproximar mais do amor que Cristo nos ensinou. O batismo está enraizado em mim e, para todos os cristãos, protestantes e católicos, significa uma aliança com Deus.

Citarei I Pedro 3,21
"Esta água prefigurava o batismo de agora, que vos salva também a vós, não pela purificação das impurezas do corpo, mas pela que consiste em pedir a Deus uma consciência boa, pela ressurreição de Jesus Cristo."

Paulo, em Romanos 4, deixa claro que o batismo, em essência, é como a circuncisão judaica (remoção do prepúcio da criança ao oitavo dia do nascimento). Mas também rebate em Romanos 2 (e vários outros trechos) que mesmo os circuncisos (que carregam um sinal físico, visível) poderiam "perder a circuncisão" - não a circuncisão física, e sim a espiritual:

"A circuncisão, em verdade, é proveitosa se guardares a lei. Mas, se fores transgressor da lei, serás, com tua circuncisão, um mero incircunciso. Se, portanto, o incircunciso observa os preceitos da lei, não será ele considerado como circunciso, apesar de sua incircuncisão? Ainda mais, o incircunciso de nascimento, cumprindo a lei, te julgará que, com a letra e com a circuncisão, és transgressor da lei. Não é verdadeiro judeu o que o é exteriormente, nem verdadeira circuncisão a que aparece exteriormente na carne. Mas é judeu o que o é interiormente, e verdadeira circuncisão é a do coração, segundo o espírito da lei, e não segundo a letra. Tal judeu recebe o louvor não dos homens, e sim de Deus."


3 reflexões:

Bellon disse...

se o que vale mesmo é a espiritualidade, não entendo o porquê a simbologia da circunsisão, do ato em si. Se todo mundo respeitasse mesmo a religião, ninguém precisaria disso pra mostrar sua fé.
(sei lá)

Mr. bassplayer Devaneio disse...

(Sobre o comentário) A circunsisão era mais, assim como o batismo católico, uma aliança dos pais da criança para com Deus, dizendo que seu filho seria dedicado às coisas espirituais... Na igreja católica existe a crisma para confirmar por vontade da criança esta aliança.. já na crença judaica eu não sei...

Bom, como disse, é apenas uma alianças.. e alianças existem para ser honradas ou quebradas.. eis nossa escolha, e por isso não estamos todos salvos pela água que lava nossos pecados até ali, mas pelas nossas ações a posteriori!!

Parabéns LP! :D

P Fuastini disse...

Sem dúvida o simples ato de sermos batizados , por escolha própria ou dos nossos pais não garante salvação.Assim como o habito não faz o monge o batismo não faz o cristão.
Ser cristão além de uma escolha é um processo, processo que se faz no dia a dia em nossas mínimas atitudes, afinal como falou Cristo , nem todo aquele que diz senhor, senhor entrará no reino dos céus.