sexta-feira, agosto 29

kai deutera omoia auth agaphseiV ton plhsion sou wV seauton meizwn toutwn allh entolh ouk estin

Tradução do grego para Marcos 12, 31:

"Eis aqui o segundo: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outro mandamento maior do que estes não existe."



Sempre me perguntei como conseguiria amar alguém que só me faz mal. Hoje sinto que consegui. Difícil? Nem tanto. Vou contar um segredinho para vocês.

Hoje em dia muito se fala sobre a palavra amar. O conceito de amar varia de pessoa para pessoa. Amamos nossos amigos, nossas namoradas, nossos pais e tenho certeza que amamos (quando amamos) de um jeito distinto cada um que se encontra em nossas vidas, pois cada um é diferente e assim sendo, merecem um amor exclusivo . Temos o amor romântico, o amor fraterno, o amor erótico, o amor alegre, o amor companheiro, o amor compadecido; porém conhecemos o amor citado pelos autores da bíblia?

Os gregos não possuíam uma palavra exata para o verbo amar e a palavra amor. O Novo Testamento escrito em grego, de onde derivam as várias outras modernas traduções, apresenta duas palavras que podem representar amor. São elas: philia e ágape. A primeira denota um sentimento recíproco entre irmãos, entre uma família; a palavra ágape, ao invés, não denota necessariamente um sentimento. E é esse o verbo, vejam bem, que aparece no título, quando Jesus nos manda amar ao próximo (agaphseiV).

Ágape são ações. Martin Buber , filósofo austríaco escrevia "Ágape é atitude. Parte da convicção que 'O ser humano se torna eu pela relação com o você. À medida que me torno eu, digo você, todo viver real é encontro'." Thomas Jay Oord, teólogo e filósofo explanou: “uma resposta intencional para promover o bem-estar em resposta a quem gerou um mal-estar.” Enfim, é o que você faz pelo outro sem querer nada em troca.

Paulo, nas cartas aos coríntios, descreveu perfeitamente esta atitude que nós temos que ter para com todos que estão à nossa volta:
"[...] é paciente, é amável. Sem inveja, ele não tem ostentação, ele não é orgulhoso. Não é rude, ele não é interessado, ele não se irrita facilmente, ele não mantém nenhum registro dos erros. [...] não se deleita com o mal mas rejubila com a verdade. Protege sempre, confia sempre, sempre tem esperança, sempre persevera. [...] nunca falha.”

Então,
Prontos para amar alguém?

2 reflexões:

Mr. bassplayer Devaneio disse...

O grande problema que surge a nós cristãos é achar que para o sermos nos basta a fé... Tiago diz em seu livro que a fé sem obras é morta... ou seja, nossa crença deve ser baseada na ação, na atitude com o próximo e com nossas próprias pessoas, e não apenas na crença, em si, em Deus.
Claro que muito de nossos erros se deve a ignorância que toma 90% dos Cristãos, e quando não o são, usam esses conhecimentos para proveito próprio, disvirtuando o teor do que acreditamos e deveríamos conhecer!
Não gosto de Paulo, mas, de fato, ele elencou de forma importante como deve ser o amor em cristo!
Muito boa!

L.P. Faustini disse...

Exato,
Se a fé nos bastasse para ser cristãos, o diabo seria o mais cristão dos cristãos.