terça-feira, abril 28

A bíblia por trás das câmeras - Parte 5: Evangelhos Apócrifos

Os evangelhos apócrifos são aqueles evangelhos que ficaram de fora da Bíblia como a conhecemos hoje. No entanto, isso não quer dizer que eles não foram usados nos primeiros anos do cristianismo.

A verdade é que os apócrifos foram bastante utilizados no cristianismo primitivo e sua utilização perdura até hoje. Duvidam? Vamos então aos exemplos:


1.Todos sabemos que o bom ladrão pregado na cruz ao lado de Jesus se chama Dimas, ou São Dimas. Agora, lá, na bíblia atual, eu quero ver o nome dele aparecer. Ele não aparece, e sabem porque? Porque o nome Dimas só aparece nos evangelhos apócrifos.

2.Alguém já viu um presépio no qual o nascimento de Jesus é representado dentro de uma gruta? Eu já. Isso porque o nascimento do menino Jesus em uma gruta é mencionado em um apócrifo.

3.Os três "reis" magos. É de comum acordo que eram três reis magos, porém nos evangelhos só se menciona a quantidade (três) e o fato deles serem magos. Mas, Reis, isso só se encontra nos apócrifos.

Enfim, além desses 3 exemplos entre muitos, os apócrifos também foram fontes para afrescos em igrejas, datas comemorativas e textos literários (como A Divina Comédia).

Muitos dos apócrifos ficaram de fora por possuírem uma tendência gnóstica (do termo gnose=conhecimento). Simplificadamente, os gnósticos diziam que a salvação vem por meio do conhecimento. É fato que existiram seitas cristãs gnósticas no início do cristianismo. Valentino (100-160d.C), provavelmente o primeiro a iniciar um estudo para criação da bíblia, era cristão gnóstico e teve vários seguidores chamados: os valentinianos. Mais tarde, com o combate aos heréticos defendido por Ireneu, os gnósticos perderam sua reputação para os ortodoxos e qualquer escrito com tendência similar ou parecida com a escola valentiniana foi desconsiderado. E é assim que entendemos um dos porquês de alguns evangelhos não terem sido incluídos na bíblia: disputa política.

O fato é que os evangelhos apócrifos são, de pouco em pouco, redescobertos. E muitos deles não possuem nada que possa parecer hoje contrário à teologia cristã. O evangelho de Tomé, por exemplo, para mim é leitura cristã obrigatória.

Aí vai uma lista dos evangelhos apócrifos:

  • Evangelho Árabe de Infância
  • Evangelho Armênio de Infância (fragmentos)
  • Evangelho de Bartolomeu
  • Evangelho de Tiago
  • Evangelho de Marcião
  • Evangelho de Maria Madalena (ou Evangelho de Maria de Betânia)
  • Evangelho de Matias (ou Tradições de Matias)
  • Evangelho de Nicodemos (ou Atos de Pilatos)
  • Evangelho de Pedro
  • Evangelho do Pseudo-Mateus
  • Evangelho do Pseudo-Tomé
  • Evangelho dos Ebionitas (ou Evangelho dos Doze Apóstolos)
  • Evangelho dos Hebreus
  • Evangelho Secreto de Marcos
  • Evangelho de Tomé
  • Evangelho de Felipe
  • Evangelho de Maria

5 reflexões:

Roger disse...

Amigo Luiz: Por acaso não existe nada escrito por Judas Iscariotes?

Acho estranho o evangelho de Judas ser sempre o menos mencionado entre os apócrifos.

Poste algum texto a respeito deste evangelho, se puder...

L.P. Faustini disse...

Roger,

Atenderei seu pedido em breve.

Anônimo disse...

Pessoal, esse Judas da Bíblia é outro. Não tem nada que ver com o Judas Iscariotes contador que vendeu informações sobre Jesus por dinheiro.

Aquele Judas que escreveu a Bíblia era outro.

Não se esqueçam que na Bíblia, como na vida real, nem todos que tem mesmo nome são as mesmas pessoas.

O Judas malvado era o Iscariotes. Aquele que Dan Brown (do código Da Vinci) tanto defendeu.

O Judas do Evangelho, é outro.

Angela disse...

Como podemos ter acesso a esses evangelhos? como você achouno evangelho de Tomé pra ler? abraços!

L.P. Faustini disse...

Salve Angela,

Você pode procurar o evangelho de Tomé na internet mesmo. Ele é curto e pode ser lido rapidamente.

A paz!